sábado, maio 15, 2021
Home Nacional Violações de direitos humanos agora podem ser denunciadas pelo WhatsApp

Violações de direitos humanos agora podem ser denunciadas pelo WhatsApp

Para atendimentos ou denúncias, cidadão deve enviar mensagem pelo número (61) 99656-5008

O Disque 100 e o Ligue 180 chegaram ao WhatsApp. O serviço de mensagens privadas agora também poderá ser utilizado como mais uma plataforma para denúncias de violações de direitos humanos e de violência contra a mulher, somando-se assim aos já tradicionais canais de atendimento. Divulgação foi feita nesta quinta-feira (29), pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH).

Para receber atendimento ou realizar denúncias por esta nova via, o cidadão deve enviar mensagem para o número (61) 99656-5008. Após resposta automática, ele será atendido por uma pessoa da equipe da central única dos serviços. A denúncia recebida será analisada e encaminhada aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização em direitos humanos.

O serviço foi lançado oficialmente, nesta quinta-feira (29), em uma live nas redes sociais do MMFDH. Na oportunidade, a ministra Damares Alves, afirmou que a possibilidade de acionar o Disque 100 e o Ligue 180 pelo WhatsApp é contribuirá para a proteção dos mais vulneráveis.

Saiba mais: Em evento da ONU, Brasil debate construção da Carta Brasileira para Cidades Inteligentes

A ministra agradeceu a equipe do WhatsApp no Brasil, que se empenhou para a construção desse canal. “Não é uma ação simples. Envolve muito aspectos para além dos direitos humanos, como segurança e economia. A partir de agora, o WhatsApp faz parte da rede de proteção aos direitos humanos”, salientou.

Além disso, a titular do MMFDH destacou que a medida traz economia, eficiência e rapidez ao serviço. “Eu fiz o teste. Mandei mensagem para o nosso número no WhatsApp e fui atendida instantaneamente”, assegurou a ministra.

Ela explicou ainda que o serviço irá auxiliar no recebimento de denúncias com imagens e vídeos, o que pode antecipar medidas protetivas e restritivas, por exemplo. Também ressaltou que o número pode ser utilizado por mulheres que estão fora do país.

Titular da ONDH, que é responsável pelos serviços do Disque 100 e do Ligue 180 no MMFDH, o ouvidor nacional de direitos humanos, Fernando Ferreira, participou da live diretamente da central de atendimento dos serviços. Segundo ele, a ferramenta é de extrema importância para a comunicação entre a sociedade e o Estado em relação aos direitos humanos no Brasil.

Saiba mais: 60% dos brasileiros consideram protocolos sanitários fundamentais em viagens, aponta pesquisa

“Nós temos buscado melhorar a cada dia, aperfeiçoar a razão de comunicação entre o cidadão que precisa acessar os canais de denúncias de violações de direitos humanos e os órgãos da rede de proteção, como conselhos tutelares, conselhos de idosos e delegacias especializadas, por exemplo”, disse.

A promotora de Justiça do Ministério Público de São Paulo (MPSP), Gabriela Manssur, que trabalha no enfrentamento de violência contra mulheres, também participou do lançamento. Na avaliação dela, a disponibilização do serviço no WhastApp é uma conquista para as brasileiras.

“As mulheres terão acesso à informação, acesso rápido à Justiça devido ao fluxo de encaminhamento dos canais, e utilizarão tecnologia para o combate e prevenção à violência”, comemorou.

Canais de atendimentos

Além do WhatsApp, os canais de atendimento do Disque 100 e do Ligue 180 podem ser acessados pelo site da Ouvidoria e por outros aplicativos como o Direitos Humanos Brasil.

Em todas as plataformas, as denúncias são gratuitas, anônimas e recebem um número de protocolo para que o denunciante possa acompanhar o andamento. Qualquer pessoa pode acionar o serviço, que funciona diariamente, 24h , incluindo sábados, domingos e feriados.

O serviço cadastra e encaminha os casos aos órgãos competentes. Além de denúncias, a plataforma recebe reclamações, sugestões e elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento.

Entre os grupos atendidos pelo Disque 100, estão crianças e adolescentes, pessoas idosas, pessoas com deficiência, pessoas em restrição de liberdade, população LGBT e população em situação de rua.

O serviço também está disponível para denúncias de casos que envolvam discriminação étnica ou racial e violência contra ciganos, quilombolas, indígenas e outras comunidades tradicionais. Já as denúncias de violência contra a mulher são registradas pelo Ligue 180.

Popular

Olimpíada de Tóquio está confirmada mesmo com piora da covid-19 no Japão

A chefe da Olimpíada de Tóquio, Seiko Hashimoto, disse nesta sexta-feira (16) que o Japão está comprometido a realizar Jogos seguros no verão local,...

OMS: taxa de infecção por covid-19 está próxima do valor mais alto

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse hoje (16) que o número de novos casos de covid-19 por semana, em...

1,5 milhão de brasileiros estão com segunda dose da vacina contra covid-19 atrasada

Cerca de 1,5 milhão de brasileiros estão com a segunda dose da vacina contra a covid-19 atrasada. O dado foi trazido nesta terça-feira (13)...

Caixa inicia pagamento do auxílio emergencial a nascidos em abril

Trabalhadores informais nascidos em abril começam a receber hoje (13) a nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a...