terça-feira, junho 22, 2021
Home Economia Vendas no varejo crescem 0,9% e mantêm patamar recorde em outubro

Vendas no varejo crescem 0,9% e mantêm patamar recorde em outubro

Vendas no varejo cresceram pelo sexto mês consecutivo, mostra pesquisa do IBGE

Com isso, o patamar do varejo bateu recorde pela terceira vez seguida, ficando 0,9% acima de setembro e 8,0% superior a fevereiro, nível pré-pandemia. Em relação a outubro de 2019, o comércio cresceu 8,3%, alcançando a quinta taxa positiva consecutiva e a maior para um mês de outubro desde 2012 (9,2%). As informações são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira (10) pelo IBGE.

Depois de quedas muito expressivas em março e abril, o varejo vinha em trajetória de crescimento, porém em ritmo de desaceleração – maio (12,2%), junho (8,6%), julho (4,6%), agosto (2,9%) e setembro (0,5%). Esse resultado de outubro mostra um repique para cima, que precisamos ter cuidado para avaliar como uma retomada da aceleração. No mínimo, mostra um folego da economia num patamar que já estava alto”, analisa o gerente da PMC, Cristiano Santos.

Saiba mais: Saiba como investir em criptomoedas e aderir a tendência do momento

Entre às oito atividades pesquisadas, sete tiveram taxas positivas na comparação com setembro: Tecidos, vestuário e calçados (6,6%), Livros, jornais, revistas e papelaria (6,6%), Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (3,7%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (2,3%).

Além de outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,9%), Combustíveis e lubrificantes (1,1%) e Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,6%). Apenas o setor de Móveis e eletrodomésticos (-1,1%) recuou.

Saiba mais: Produção industrial tem alta em oito dos 15 locais pesquisados em outubro, diz IBGE

No período pré-pandemia, vendas cresceram 8,0%

Santos destaca que o resultado de outubro está 8,0% acima do dado de fevereiro, anterior a pandemia. O crescimento, porém, foi desigual, com altas em Móveis e eletrodomésticos (19,0% acima de fevereiro), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (13,3%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (9,6%) e Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (6,1%).

O varejo ampliado mostra o mesmo comportamento, 4,9% acima de fevereiro, com cinco taxas positivas e cinco negativas. Material de construção teve o maior crescimento (21,5%) e Veículos, motos, partes e peças, o menor (-5,2%), depois de Livros”, analisa.

O gerente do IBGE destaca, ainda, que a pressão inflacionária dos últimos meses segurou o crescimento da atividade de hiper e supermercados: “Quando olhamos para o volume, agosto e setembro estão negativos e outubro está positivo. Porém, quando olhamos para a receita, ela só está negativa em agosto”, observa.

Na comparação interanual, 2020 tem o melhor outubro desde 2012

Em relação a 2019, o crescimento de 8,3% em outubro de 2020 marca a quinta alta consecutiva, sendo a maior taxa para o mês desde 2012 (9,2%). Nesta comparação, houve equilíbrio de taxas positivas e negativas, com quatro atividades em alta e quatro em queda.

Por um lado, os setores de Móveis e eletrodomésticos (21,9%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (18,4%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (13,8%) e Hiper e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (7,3%) impactaram positivamente no indicador.

Por outro, as quedas ficaram por conta de Livros, jornais, revistas e papelaria (-33.1%), Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-10,9%), Combustíveis e lubrificantes (-5,4%) e Tecidos, vestuário e calçados (-2,6%).

Vendas do varejo crescem

Na comparação com setembro, o volume de vendas do varejo foi positivo em 22 das 27 unidades da federação, com destaque para Bahia (3,5%), Piauí (3,1%) e Mato Grosso do Sul (2,9%). Pressionando negativamente, figuram cinco das 27 unidades da federação, com destaque para: Tocantins (-5,4%), Roraima (-2,2%) e Pará (-0,7).

No comércio varejista ampliado, também houve predomínio de resultados positivos, com altas em 18 das 27 Unidades da Federação. Os destaques foram Paraíba (3,6%), Rio de Janeiro (2,9%) e São Paulo (2,8%). Por outro lado, pressionando negativamente, destaca-se o Espírito Santo (-2,4%).

Popular

Olimpíada de Tóquio está confirmada mesmo com piora da covid-19 no Japão

A chefe da Olimpíada de Tóquio, Seiko Hashimoto, disse nesta sexta-feira (16) que o Japão está comprometido a realizar Jogos seguros no verão local,...

OMS: taxa de infecção por covid-19 está próxima do valor mais alto

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse hoje (16) que o número de novos casos de covid-19 por semana, em...

1,5 milhão de brasileiros estão com segunda dose da vacina contra covid-19 atrasada

Cerca de 1,5 milhão de brasileiros estão com a segunda dose da vacina contra a covid-19 atrasada. O dado foi trazido nesta terça-feira (13)...

Caixa inicia pagamento do auxílio emergencial a nascidos em abril

Trabalhadores informais nascidos em abril começam a receber hoje (13) a nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a...