terça-feira, maio 18, 2021
Home Ciência UFRJ inicia testes clínicos com vacina BCG para combate ao coronavírus

UFRJ inicia testes clínicos com vacina BCG para combate ao coronavírus

Universidade também inaugurou laboratório de campanha para ampliação da capacidade de exames diagnósticos

A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) começou no início da semana os ensaios clínicos com a vacina BCG para a prevenção contra a covid-19. Inicialmente, serão vacinados mil profissionais da saúde que terão acompanhamento para a coleta de dados da pesquisa.

A iniciativa, financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), conta com o investimento de R$ 1 milhão em recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) para a pesquisa, valor disponibilizado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Saiba mais: PUC-Rio propõe uso de IA na detecção de casos de covid-19

Pesquisa sobre eficácia da BCG

A BCG é uma vacina aplicada no nascimento para prevenir formas graves de tuberculose em crianças. A investigação sobre a eficácia da BCG no combate ao coronavírus partiu de uma hipótese baseada em dados que mostram que países que mantêm o uso da vacina apresentaram menor incidência de covid-19 em comparação com os que suspenderam o uso da BCG universal, como, por exemplo, os Estados Unidos, a Espanha e a Itália.

Fernanda Mello, professora de Tisiologia e Pneumologia do Instituto de Doenças do Tórax (IDT/UFRJ), coordena a pesquisa. A cientista explica que os estudos buscam responder se a vacina ajuda tanto na prevenção da infecção quanto na ocorrência de formas graves da COVID-19. “Temos evidências que, na verdade, neste momento, a revacinação traria uma nova carga de estimulação para essa imunidade inata, de forma que ela poderia se tornar mais eficiente para resposta a outros desafios, como, por exemplo, o vírus SARS-CoV-2”, afirmou.

Saiba mais: Ministério da Saúde promete vacina de Oxford para janeiro de 2021

Fernanda destacou, ainda, a importância do estudo junto aos profissionais de saúde: “Ao avaliarmos o efeito da vacina BCG entre profissionais de saúde, esperamos verificar seu potencial para evitar o adoecimento e as formas graves da doença entre eles, que representam o braço operacional da linha de cuidado aos pacientes com COVID-19. A manutenção dessa força de trabalho é fundamental para que seja garantido o melhor cuidado aos portadores do coronavírus”.

Universidade fará 300 testes por dia

A UFRJ também inaugurou as instalações do laboratório de campanha para testes diagnósticos no campus Cidade Universitária. O objetivo é aumentar a capacidade de realizar testes diagnósticos da covid-19.

O professor Amilcar Tanuri, também consultor da Organização Mundial da Saúde (OMS), é coordenador do laboratório de campanha da UFRJ, que foi reformado com capacidade NB-2 de biossegurança e agora terá a capacidade de fazer 300 testes moleculares do tipo PCR por dia. Ainda que seja focado em testes moleculares, o laboratório também pode realizar exames sorológicos e antigênicos. Tanuri frisou que a UFRJ já realizou mais de 30 mil testes diagnósticos de coronavírus e a relevância da Universidade centenária no cenário brasileiro.

O professor destacou outros fatores importantes da iniciativa: “É interessante, nesta concepção de laboratório ligado à universidade, que os testes se tornam parte da pesquisa”, afirmou. “Não são meros testes, como são feitos em laboratórios privados, nos quais o paciente só recebe o resultado”.

Segundo ele, a estrutura moderna do laboratório está dando apoio ao estado do Rio, especialmente à comunidade da UFRJ, que soma mais de 70 mil pessoas, entre alunos, professores, técnicos-administrativos e terceirizados. A expectativa é dar mais segurança quando houver a retomada das atividades na Universidade.

UFRJ no combate ao coronavírus

A reitora da UFRJ pontuou o trabalho árduo da Universidade no enfrentamento da pandemia. “Estamos há sete meses enfrentando essa doença, que é uma doença que acomete uma parte da população de forma muito grave. Desde o início, no mês de fevereiro, o GT Coronavírus da UFRJ já tinha emitido o primeiro boletim, sob a liderança do professor Roberto Medronho”, disse Denise, lembrando que, quando os álcoois tinham sumido das prateleiras dos mercados, a UFRJ produziu mais de 80 toneladas, distribuídas nas nove unidades de saúde da Universidade, bem como nos laboratórios.

Popular

Olimpíada de Tóquio está confirmada mesmo com piora da covid-19 no Japão

A chefe da Olimpíada de Tóquio, Seiko Hashimoto, disse nesta sexta-feira (16) que o Japão está comprometido a realizar Jogos seguros no verão local,...

OMS: taxa de infecção por covid-19 está próxima do valor mais alto

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse hoje (16) que o número de novos casos de covid-19 por semana, em...

1,5 milhão de brasileiros estão com segunda dose da vacina contra covid-19 atrasada

Cerca de 1,5 milhão de brasileiros estão com a segunda dose da vacina contra a covid-19 atrasada. O dado foi trazido nesta terça-feira (13)...

Caixa inicia pagamento do auxílio emergencial a nascidos em abril

Trabalhadores informais nascidos em abril começam a receber hoje (13) a nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a...