terça-feira, março 9, 2021
Home Economia Índice de Confiança na Indústria alcança maior nível desde 2011, diz FGV

Índice de Confiança na Indústria alcança maior nível desde 2011, diz FGV

Estudo aponta avanço de 4 pontos; melhor patamar há nove anos

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas avançou 4,5 pontos em outubro, alcançado 111,2 pontos, o maior nível desde abril de 2011 (111,6 pontos). Em médias móveis trimestrais, o ICI avançou pelo quarto mês consecutivo, com variação de 7,1 pontos em relação a setembro. Estudo foi divulgado nesta quarta-feira (28), pela FGV-IBRE.

A sondagem de outubro mostra que o setor industrial está mais satisfeito com a situação atual e otimista que esse resultado será mantido nos próximos três meses. Chama a atenção, contudo, o retorno do NUCI a um nível próximo da média anterior à pandemia e o percentual de empresas indicando estoques insuficientes, o maior valor desde o início da série.” informou Renata de Mello Franco, economista da FGV-IBRE.

Saiba mais: Prévia da inflação tem maior alta para o mês desde 1995, aponta IBGE

Renata ainda comentou que “Entre as categorias de uso, os Bens Intermediários merecem destaque por alcançarem o maior nível de confiança do setor, influenciado principalmente pela melhora dos indicadores de situação atual. Entretanto, a demora na recuperação do indicador de tendência dos negócios sinaliza uma certa preocupação dos empresários sobre a sustentação desse nível de otimismo por um período maior”.

Em outubro, 16 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram aumento da confiança. O resultado positivo do mês reflete principalmente a melhora da satisfação dos empresários em relação à situação corrente. O Índice de Situação Atual (ISA) subiu 6,4 pontos, para 113,7 pontos, o maior valor desde novembro de 2010 (13,8 pontos). O Índice de Expectativas (IE) cresceu 2,7 pontos, para 108,6 pontos, o maior desde maio de 2011 (110,0 pontos).

Saiba mais: Dívida Pública Federal sobe 2,59% em setembro

O indicador que mede o grau de satisfação dos empresários com a situação atual dos negócios exerceu a maior influência sobre o ISA, ao avançar 8,5 pontos, para 115,5 pontos, o maior valor desde junho de 2010 (116,4 pontos).

A parcela de empresas que avaliam a situação atual como boa aumentou de 33,5% para 42,8% do total, enquanto a parcela das que a consideram fraca caiu de 21,0% para 15,4% do total. Já o nível dos estoques subiu 6,1 pontos, de 108,1 pontos para 114,2 pontos, enquanto o de demanda cresceu 4,1 pontos, de 106,2 pontos para 110,3 pontos.

O indicador que mede o otimismo dos empresários com a evolução do ambiente de negócios nos seis meses seguintes apresentou pelo segundo mês consecutivo a maior variação positiva entre os componentes do IE, passando de 96,5 pontos para 100,8 pontos, nível considerado neutro, porém abaixo de fevereiro (104,9 pontos).

Neste mês, a parcela de empresas que preveem melhora aumentou de 39,9% para 45,7%, enquanto a das que projetam piora caiu de 13,6% para 11,0%. No mesmo sentido, os indicadores de produção e emprego previstos para os próximos três meses avançaram 2,5 pontos e 1,1 ponto, para 113,6 pontos e 110,9 pontos, respectivamente.

O Nível de Utilização da Capacidade instalada aumentou 1,6 ponto percentual, de 78,2% para 79,8%, maior valor desde novembro de 2014 (70,3%). Com esse resultado, o NUCI se aproxima do nível de 79,9%, correspondente à média observada entre janeiro de 2001 a fevereiro de 2020.

Popular

Início do Brasil nas Eliminatórias superou as expectativas, afirma técnico Tite

Para o técnico da seleção brasileira, Tite, o início da equipe nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo do Catar (2022) superou as...

Desfalcados e molhados, Corinthians e Palmeiras não saem do empate

O primeiro Derby Paulistano pela temporada 2021 acabou empatado. Na noite desta quarta-feira (3), debaixo de muita chuva, Corinthians e Palmeiras ficaram no 2...

Em meio à pandemia, atividade econômica cresce no Norte e Centro-Oeste

Mesmo em meio à pandemia de covid-19, que provocou a redução da atividade econômica em todo o país, as regiões Norte e Centro-Oeste registraram...

Estudo revela tamanho da desigualdade de gênero no mercado de trabalho

Levantamento divulgado hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que 54,5% das mulheres com 15 anos ou mais integravam a força de...