terça-feira, maio 18, 2021
Home Economia Inadimplência cai no fim de 2020, apesar de alta no endividamento

Inadimplência cai no fim de 2020, apesar de alta no endividamento

Levantamento foi feito pela Confederação Nacional do Comércio

A inadimplência caiu em dezembro, apesar de os consumidores estarem mais endividados, revelou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de dezembro, o total de famílias com dívidas ou contas em atraso caiu de 25,7% em novembro para 25,2% em dezembro.

Essa foi a quarta redução seguida do indicador. Em relação a dezembro de 2019, a proporção de consumidores inadimplentes cresceu 0,7 ponto percentual.

A parcela das famílias que declararam não ter condições de quitar o atraso, permanecendo inadimplentes, caiu de 11,5% em novembro para 11,2% em dezembro. No mesmo mês de 2019, o indicador estava em 10%.

Mais dívidas

Depois de três meses seguidos de redução, o número de brasileiros com dívidas voltou a subir em dezembro. Segundo a Peic, 66,3% dos consumidores estavam endividados no mês passado, alta de 0,3 ponto percentual com relação a novembro. No comparativo anual, o indicador registrou aumento de 0,7 ponto percentual.

Em relação aos tipos de dívida, a proporção de brasileiros que utilizam o cartão de crédito aumentou de 77,8% em novembro para 79,4% das famílias em dezembro. Essa foi a maior taxa desde janeiro de 2020. O cartão manteve-se como a principal modalidade de endividamento. A participação do cheque especial também subiu, de 5,3% para 5,5%.

Recomendações

Na avaliação da CNC, a alta do endividamento reflete a recuperação do crédito, estimulado pelos juros baixos e por estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19. A entidade, no entanto, aconselha que os bancos alonguem os prazos de pagamento das dívidas para reduzir o risco de inadimplência no sistema financeiro. Isso porque grande parte do crédito ofertado durante a pandemia foi concedido com carência nas parcelas e deve começar a vencer no início deste ano.

A CNC também recomenda que as famílias prestem mais atenção ao orçamento doméstico após o fim do auxílio emergencial. Para a entidade, o crédito pode voltar a funcionar como ferramenta de recomposição da renda, à medida que a recuperação do emprego enfrenta incertezas.

Incerteza sem o auxílio

Instituído entre março e abril do ano passado, o auxílio emergencial formulado no Congresso e aprovado pelo presidente Jair Bolsonaro ajudou cerca de 70 milhões de brasileiros em situação de vulnerabilidade.

A ajuda, no entanto, não será prorrogada para 2021. O Ministério da Economia tentou arquitetar um novo plano econômico de apoio, intitulado Renda Brasil, mas o projeto não saiu do papel. A ideia do governo neste momento é melhorar o Bolsa Família.

Bolsonaro tem sido questionado sobre uma possível continuidade do auxílio emergencial. Na quarta-feira (6), durante uma conversa com apoiadores em Brasília, o presidente disse que é impossível continuar bancando um auxílio neste momento.

“Qual país do mundo fez auxílio emergencial? Parecido foi nos Estados Unidos. Aqui alguns querem torná-lo definitivo. Vamos pagar para todo mundo R$ 5 mil por mês, ninguém trabalha mais, fica em casa”, disse Jair Bolsonaro.

Assim como aconteceu em 2020, deputados federais defendem um novo auxílio emergencial para 2021. A proposta tem sido articulada por parlamentares de diversos partidos, inclusive aqueles antagonistas entre si.

A iniciativa também está em discussão no Senado , onde há um projeto que pretende manter o benefício até março deste ano . A iniciativa foi proposta pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e até o momento não foi discutida pelo plenário.

Além de Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes , já declarou publicamente ser contra a prorrogação do auxílio emergencial . O líder de governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), também disse que o  Governo não pretende discutir o benefício no Congresso Nacional.

A Caixa Econômica Federal liberou na quarta-feira (6) o saque do auxílio emergencial para os nascidos em abril. Os beneficiários poderão retirar o dinheiro dos ciclos 5 e 6 de pagamentos, a 8ª e 9ª parcelas, respectivamente.

Durante o mês de janeiro de 2021, o banco ainda vai liberar oito retiradas em dinheiro do auxílio emergencial. No entanto, a Caixa não abrirá as agências aos sábados ou domingos e os saques acontecerão nas segundas, quartas e sextas.

Com informações da Agência Brasil

Popular

Olimpíada de Tóquio está confirmada mesmo com piora da covid-19 no Japão

A chefe da Olimpíada de Tóquio, Seiko Hashimoto, disse nesta sexta-feira (16) que o Japão está comprometido a realizar Jogos seguros no verão local,...

OMS: taxa de infecção por covid-19 está próxima do valor mais alto

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse hoje (16) que o número de novos casos de covid-19 por semana, em...

1,5 milhão de brasileiros estão com segunda dose da vacina contra covid-19 atrasada

Cerca de 1,5 milhão de brasileiros estão com a segunda dose da vacina contra a covid-19 atrasada. O dado foi trazido nesta terça-feira (13)...

Caixa inicia pagamento do auxílio emergencial a nascidos em abril

Trabalhadores informais nascidos em abril começam a receber hoje (13) a nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a...