quinta-feira, agosto 5, 2021
Home Saúde Boletim epidemiológico mostra desigualdade social nas favelas do Rio

Boletim epidemiológico mostra desigualdade social nas favelas do Rio

Baixa testagem é desafio entre comunidades cariocas, mostra relatório da Fiocruz

Um boletim da Fiocruz divulgado nesta quinta-feira (12) mostra que o contexto de baixa testagem para Covid-19 no município do Rio de Janeiro ainda é uma realidade. A maior frequência de casos da doença foi observada nos bairros sem favelas e de baixa concentração destas. O estudo analisou os dados oficiais disponibilizados pela prefeitura de 22 de junho a 28 de setembro.

Segundo a análise, os bairros com alta e altíssima concentração de favelas apresentaram no total 2.529 casos de Covid-19 (5% do total do município) e 111 óbitos (6% do total do município) pela doença. A iniciativa tem como objetivo analisar a Covid-19 nas favelas do Rio do Janeiro, abordando indicadores como frequência, incidência, mortalidade e letalidade por sexo, raça/cor e idade.

Saiba mais: Anvisa autoriza retomada de estudos com vacina Coronavac

De acordo com dados do Censo 2010, estima-se que 22% dos habitantes do município do Rio de Janeiro moram em áreas de favelas. Para entender a distribuição da Covid-19 na cidade, construiu-se uma tipologia urbana, cuja classificação dividiu os bairros em cinco áreas: sem favelas, concentração baixa, concentração mediana, concentração alta e concentração altíssima.

Baixa testagem nas favelas

Em julho e agosto, os bairros que apresentaram as maiores taxas de incidência foram Centro, Joá, Bonsucesso, Gávea, Humaitá, São Cristóvão, Vista Alegre e Praça da Bandeira. Apesar de serem classificados com baixa concentração de favelas, os bairros da zona Oeste, em especial Campo Grande, Bangu, Realengo e Santa Cruz, concentraram a maior frequência de óbitos.

As maiores taxas de letalidade foram observadas em Barra de Guaratiba (16,67%), Senador Camará (12,05%), Vila Militar (11,11%), Cosmos (11,03%) e Santíssimo (10,7%).

A taxa de incidência e taxa de mortalidade por raça/cor foi cerca de duas vezes maior na população negra do que na população branca nos bairros sem favelas. Nesse sentido, mesmo em áreas onde há o predomínio da população branca, quem mais adoece e morre são os negros.

Saiba mais: Brasil atinge marca de 5 milhões de pessoas recuperadas de covid-19

“A melhora observada no preenchimento do campo raça/cor foi fundamental para a elaboração dessas análises”, explica o pesquisador da Fiocruz André Perisse, um dos coordenadores do estudo.

Em relação à idade, o risco de adoecer por Covid-19 começou a aumentar a partir dos 40 anos. “O risco de morrer por Covid-19 apresentou redução em todo município. Contudo, continua sendo maior em pessoas de mais de 60 anos”, observou a pesquisadora da Fiocruz Jussara Angelo, que também coordenou o estudo.

A pesquisa observou um atraso expressivo nas notificações por Covid-19 no município do Rio de Janeiro. Isso levou os pesquisadores a questionarem como tem sido feito o trabalho de vigilância epidemiológica do município e das instituições de governo, no que se refere à publicização e acesso à informação em saúde.

A sanitarista Bianca Leandro, que integrou o estudo, destacou que, diante de uma emergência sanitária, a disponibilidade da informação deve ser feita o mais rápido possível para que possa subsidiar estratégias de controle para a doença e a tomada de decisão.

Covid-19 nas favelas

O Boletim Socioepidemiológico Covid-19 nas Favelas é elaborado integrando dados oficiais do Painel da Prefeitura, dados dos painéis das unidades de saúde, dados populacionais e cartográficos obtidos no Instituto Pereira Passos e do jornal comunitário Voz das Comunidades.

A pesquisa conta também com narrativas de interlocutores do território que, através de suas experiências de vida e trabalho em diferentes regiões da cidade, colaboraram com a produção do material.

O Boletim é um produto da Sala de Situação Covid-19 nas Favelas, vinculada ao Observatório Covid-19 da Fiocruz. A Sala tem diversos objetivos, tais como a produção de informação para apoiar o monitoramento epidemiológico e social da Covid-19 em favelas, inicialmente na cidade do Rio de Janeiro.

Popular

5 criptomoedas promissoras de 2021

Confira quais as criptomoedas promissoras do ano que valem seu investimento Nos últimos anos, um novo tipo de dinheiro entrou em cena, as chamadas criptomoedas...

Smart IPTV: tudo sobre o aplicativo

Foto: Divulgação/Smart IPTV. Confira como o aplicativo Smart IPTV mudou a maneira de ver televisão O aplicativo Smart IPTV é derivado da tecnologia chamada IPTV, que...

Quais são os atores da novela Amor de Mãe?

Foto: Globo/João Cotta Veja quem são os personagens dos atores da novela Amor de Mãe Produzida e exibida pela TV Globo, a novela Amor de Mãe...

Extraterrestre: confira as últimas notícias

Uma das imagens capturadas pelos pilotos americanos. Foto: Reprodução/Departamento de Segurança dos EUA. A vida extraterrestre sempre foi uma grande incógnita para os cientistas e...

Esportes de marca: o que é e quais os tipos

Confira todos os tipos de esportes de marca e suas definições O esporte é uma das coisas que move todo o mundo e as pessoas....

Sherlock Holmes existiu de verdade?

Sherlock Holmes em ilustração de 1904 por Sidney Paget. Foto: Divulgação/Wikipédia.  Um detetive muito famoso no mundo da literatura, mas será que realmente Sherlock...

Qual o significado da bandeira Imperial do Brasil?

Entenda qual o real significado e toda a história da Bandeira Imperial do Brasil  A Bandeira Imperial do Brasil desde sua criação teve duas versões,...

Boletim escolar digital na pandemia

O boletim escolar digital foi uma das mudanças provocadas por causa da pandemia que teve início em 2020 Em março de 2020, o mundo se...