segunda-feira, dezembro 6, 2021
Home Saúde Boletim epidemiológico mostra desigualdade social nas favelas do Rio

Boletim epidemiológico mostra desigualdade social nas favelas do Rio

Baixa testagem é desafio entre comunidades cariocas, mostra relatório da Fiocruz

Um boletim da Fiocruz divulgado nesta quinta-feira (12) mostra que o contexto de baixa testagem para Covid-19 no município do Rio de Janeiro ainda é uma realidade. A maior frequência de casos da doença foi observada nos bairros sem favelas e de baixa concentração destas. O estudo analisou os dados oficiais disponibilizados pela prefeitura de 22 de junho a 28 de setembro.

Segundo a análise, os bairros com alta e altíssima concentração de favelas apresentaram no total 2.529 casos de Covid-19 (5% do total do município) e 111 óbitos (6% do total do município) pela doença. A iniciativa tem como objetivo analisar a Covid-19 nas favelas do Rio do Janeiro, abordando indicadores como frequência, incidência, mortalidade e letalidade por sexo, raça/cor e idade.

Saiba mais: Anvisa autoriza retomada de estudos com vacina Coronavac

De acordo com dados do Censo 2010, estima-se que 22% dos habitantes do município do Rio de Janeiro moram em áreas de favelas. Para entender a distribuição da Covid-19 na cidade, construiu-se uma tipologia urbana, cuja classificação dividiu os bairros em cinco áreas: sem favelas, concentração baixa, concentração mediana, concentração alta e concentração altíssima.

Baixa testagem nas favelas

Em julho e agosto, os bairros que apresentaram as maiores taxas de incidência foram Centro, Joá, Bonsucesso, Gávea, Humaitá, São Cristóvão, Vista Alegre e Praça da Bandeira. Apesar de serem classificados com baixa concentração de favelas, os bairros da zona Oeste, em especial Campo Grande, Bangu, Realengo e Santa Cruz, concentraram a maior frequência de óbitos.

As maiores taxas de letalidade foram observadas em Barra de Guaratiba (16,67%), Senador Camará (12,05%), Vila Militar (11,11%), Cosmos (11,03%) e Santíssimo (10,7%).

A taxa de incidência e taxa de mortalidade por raça/cor foi cerca de duas vezes maior na população negra do que na população branca nos bairros sem favelas. Nesse sentido, mesmo em áreas onde há o predomínio da população branca, quem mais adoece e morre são os negros.

Saiba mais: Brasil atinge marca de 5 milhões de pessoas recuperadas de covid-19

“A melhora observada no preenchimento do campo raça/cor foi fundamental para a elaboração dessas análises”, explica o pesquisador da Fiocruz André Perisse, um dos coordenadores do estudo.

Em relação à idade, o risco de adoecer por Covid-19 começou a aumentar a partir dos 40 anos. “O risco de morrer por Covid-19 apresentou redução em todo município. Contudo, continua sendo maior em pessoas de mais de 60 anos”, observou a pesquisadora da Fiocruz Jussara Angelo, que também coordenou o estudo.

A pesquisa observou um atraso expressivo nas notificações por Covid-19 no município do Rio de Janeiro. Isso levou os pesquisadores a questionarem como tem sido feito o trabalho de vigilância epidemiológica do município e das instituições de governo, no que se refere à publicização e acesso à informação em saúde.

A sanitarista Bianca Leandro, que integrou o estudo, destacou que, diante de uma emergência sanitária, a disponibilidade da informação deve ser feita o mais rápido possível para que possa subsidiar estratégias de controle para a doença e a tomada de decisão.

Covid-19 nas favelas

O Boletim Socioepidemiológico Covid-19 nas Favelas é elaborado integrando dados oficiais do Painel da Prefeitura, dados dos painéis das unidades de saúde, dados populacionais e cartográficos obtidos no Instituto Pereira Passos e do jornal comunitário Voz das Comunidades.

A pesquisa conta também com narrativas de interlocutores do território que, através de suas experiências de vida e trabalho em diferentes regiões da cidade, colaboraram com a produção do material.

O Boletim é um produto da Sala de Situação Covid-19 nas Favelas, vinculada ao Observatório Covid-19 da Fiocruz. A Sala tem diversos objetivos, tais como a produção de informação para apoiar o monitoramento epidemiológico e social da Covid-19 em favelas, inicialmente na cidade do Rio de Janeiro.

Popular

Matheus Cunha, Vini Jr e Raphinha dominam seleção e ganham espaço com Tite

Jovens desbancam jogadores consagrados para ocuparem lugar de destaque na equipe um ano antes da Copa do Mundo Faltando um ano para a Copa do...

Quem é Millie Bobby Brown?

Millie Bobby Brown é uma atriz e cantora britânica nascida na Espanha Nascida no dia 19 de fevereiro de 2004, em Marbella, localizada na Espanha,...

Confira o resultado da Federal do sábado (4)

O último resultado da Federal saiu no sábado, dia 4 de setembro O resultado da Loteria Federal do Concurso 5564 foi disponibilizado na noite do...

Fomento mercantil: o que é e qual o objetivo

Fomento mercantil é uma prática para pequenas e médias empresas O fomento mercantil ou comercial e como também é conhecido, factoring é um prática de...

Conheça os 9 melhores sites de emprego

Com a internet sites de emprego se tornaram populares entre profissionais sem ocupação. Confira os melhores sites de emprego no Brasil Uma das coisas mais...

Veja mais de 30 marcas que testam em animais

Marcas que testam em animais ganham visibilidade negativa na mídia  Os testes em animais não é algo recente e muitas marcas de cosméticos têm essa...

Caso Evandro vira podcast e série documentário

O caso Evandro aconteceu em abril de 1992 em Guaratuba no Paraná Em 1992, no dia 6 de abril, em Guaratuba, no litoral do Paraná,...

Palmeiras na Libertadores: elimina São Paulo e está na semifinal

Palmeiras na Libertadores continua a ser sinónimo de sucesso. O clube se tornou o primeiro time brasileiro nas semifinais da atual edição...