segunda-feira, março 1, 2021
Home Saúde Expectativa de vida média no Brasil chega a 76 anos, diz estudo

Expectativa de vida média no Brasil chega a 76 anos, diz estudo

Desde 1940, esperança de vida aumentou mais de 31 anos; longevidade feminina é, em média, sete anos maior que a dos homens

Em 1940, uma pessoa ao completar 50 anos, por exemplo, tinha uma expectativa de viver mais 19,1 anos. Já em 2019, a esperança de vida para uma pessoa nessa faixa etária seria de 30,8 anos. Ou seja, atualmente vive-se, em média, quase 12 anos a mais.

Essas são algumas informações das Tábuas Completas de Mortalidade para o Brasil referente a 2019, divulgadas nesta quinta-feira (26) pelo IBGE. A expectativa de vida fornecida pelo estudo é um dos parâmetros para determinar o fator previdenciário, no cálculo das aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social.

Saiba mais: Pretos sofrem mais com desemprego e informalidade, aponta IBGE

No entanto, a expectativa de vida muda conforme a idade da pessoa e o sexo, sendo que a taxa de mortalidade dos homens é sempre superior à das mulheres. E é aos 20 anos que essa chamada “sobremortalidade masculina” atinge seu pico. Em 2019, um homem de 20 anos tinha 4,6 vezes mais chance de não completar os 25 anos do que uma mulher do mesmo grupo de idade.

Mas, de forma geral, em todas as faixas houve declínio da mortalidade ao longo do tempo. E o fato de que, em 1940, a população de 65 anos ou mais representava 2,4% do total e, em 2019, o percentual passou para 9,5% é um indicativo de que os brasileiros estão vivendo por mais tempo.Um modo de se perceber esse movimento de maior longevidade é observar a probabilidade de uma pessoa que atingiu os 60 anos chegar aos 80 no país.

Saiba mais: Governo lança projeto de reabilitação de pacientes pós-covid-19

A diminuição da mortalidade nas idades mais avançadas fez com que as probabilidades de sobrevivência entre 60 e os 80 anos de idade tivessem aumentos consideráveis entre 1980 e 2019 em todas as unidades da federação, chegando a alguns casos a mais que dobrarem as chances de sobrevivência entre estas duas idades”, destaca Fernando Albuquerque.

Expectativa nos estados

Em 1980, de cada mil pessoas que chegavam aos 60 anos 344 atingiam os 80 anos de idade. Em 2019, este valor passou para 604 indivíduos na média do Brasil. Porém, nem todas unidades federativas se destacaram nesse processo evolutivo.

O Distrito Federal, por exemplo, que na década de 80 era o primeiro no ranking de estados com maior índice de sobrevivência na faixa de 60 anos (402 por mil pessoas), se manteve entre os três primeiros em 2019 (651 por mil), ficando atrás apenas do Espírito Santo (655 por mil) e empatando com Santa Catarina (651 por mil).

Além disso, em 2019, todos os estados da região Sul tiveram um percentual acima da média Brasil (604 por mil) de pessoas de 60 anos com probabilidade de atingir os 80. Já do Sudeste, o único estado que ficou abaixo dessa média foi o Rio de Janeiro (598 por mil).

Mortalidade infantil caiu

A mortalidade infantil caiu de 12,4 por mil em 2018 para 11,9 por mil em 2019. De 1940 a 2019 a mortalidade infantil caiu 91,9%, sendo que a taxa de mortalidade entre 1 a 4 anos de idade diminuiu 97,3%.

Em 1940, a taxa de mortalidade infantil era de 146,6 óbitos para cada mil nascidos vivos; já em 2019, a taxa foi de 11,9 por mil. E a taxa de mortalidade na infância (crianças de até 5 anos) declinou de 212,1 por mil para 14,0 por mil nesse mesmo período. Sendo que cerca de 85,6% das crianças que não chegam aos 5 anos falecem no primeiro ano de vida e 14,4% entre 1 e 4 anos de idade.

“As taxas médias brasileiras ainda são altas comparadas a países desenvolvidos. Na Suécia, por exemplo, a taxa de mortalidade das crianças menores de 5 anos é de 2,5 por mil. No Brasil, temos uma taxa de 2,0 por mil para as crianças de 1 a 4 anos, quando a mortalidade está ligada a fatores sociais e econômicos… ”, explica o pesquisador Fernando Albuquerque.

A meta dos objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) para o Brasil é de, até 2030, reduzir a mortalidade neonatal para, no máximo, 5,0 por mil e a mortalidade de crianças menores de 5 anos para, no máximo, 8,0 por mil.

O Espírito Santo é o estado brasileiro com menor taxa de mortalidade infantil (7,8 óbitos a cada mil nascidos vivos). Já o Amapá tem o maior índice entre os estados (22,6 por mil), atingindo quase o triplo de mortes do ES.

Popular

ONU alerta para agravamento da insegurança alimentar na América Central

O nível de insegurança alimentar está aumentando fortemente na América Central, onde quatro países enfrentam crises econômicas motivadas pela pandemia do novo coronavírus e catástrofes...

Netflix acrescenta novo filme sobre Pelé no rol de documentários

Um novo filme sobre Pelé é o mais recente lançamento de uma série de documentários que tem sido descrita como a era de ouro...

Flamengo vence Inter de virada e assume a liderança do Brasileiro

O Flamengo venceu o Internacional de virada por 2 a 1 na tarde deste domingo (21) no Maracanã em partida válida pela 37ª rodada do Campeonato...

Após 9º título do Australian Open, Djokovic desabafa sobre críticas: “Sou um ser humano”

Na manhã deste domingo (21), no horário de Brasília, o sérvio Novac Djokovic venceu o russo Daniil Medvedev na final do Aberto da Austrália,...