domingo, outubro 17, 2021
Home Economia Endividamento de famílias cresce em janeiro e chega a 66,5%

Endividamento de famílias cresce em janeiro e chega a 66,5%

Percentual de inadimplentes atinge 24,8%

O percentual de famílias endividadas (com dívidas em atraso ou não) no país chegou a 66,5% em janeiro deste ano, ficando acima das taxas de dezembro de 2020 (66,3%) e de janeiro do ano passado (65,3%). O dado é da Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada hoje (18), no Rio de Janeiro, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O percentual de inadimplentes, ou seja, famílias com dívidas ou contas em atraso, chegou a 24,8%, abaixo dos 25,2% de dezembro, mas acima dos 23,8% de janeiro do ano passado.

As famílias que não terão condições de pagar suas contas somaram 10,9% do total, abaixo dos 11,2% de dezembro, porém, acima dos 9,6% de janeiro de 2020.

“Com o fim do auxílio [emergencial] e o atraso no calendário de vacinação, as famílias de menor renda precisarão adotar maior rigor na organização do orçamento. Essa conjuntura faz o crédito ter papel ainda mais importante na recomposição da renda. É preciso seguir ampliando o acesso aos recursos com custos mais baixos, mas também alongar os prazos de pagamento das dívidas para manter a inadimplência sob controle”, disse a economista responsável pela pesquisa, Izis Ferreira.

Cartões de crédito

Segundo a CNC, o percentual de dívidas com cartão de crédito entre o total de endividados chegou a 80,5%, subindo para um patamar histórico.

Em janeiro do ano passado, a taxa era de 79,8%. Outros principais motivos para dívidas em janeiro deste ano foram: carnês (16,8%), financiamento de carro (9,9%) e crédito pessoal (8,4%).

O tempo médio com pagamento em atraso chegou a 63,3 dias e o tempo médio de comprometimento com dívidas ficou em 6,9 meses, disse a CNC.

Desconfiança

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) caiu 2,2% em janeiro de 2021 e passou para 105,8 pontos. Segundo explicou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que mede o indicador, ainda que tenha registrado a segunda queda mensal consecutiva, o índice permanece no patamar de otimismo, que é acima de 100 pontos pelo quarto mês consecutivo. Na comparação anual houve variação negativa de 16,4%.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, destacou que os efeitos da pandemia ainda influenciam a confiança dos comerciantes. Ele disse que, tradicionalmente, janeiro é um mês mais modesto para o consumo. “Passado o período natalino e diminuído o efeito do aumento da renda com o 13º salário, as famílias estão mais dispostas a realizar gastos nos serviços de lazer, por força das férias escolares”, comentou.

O índice referente à satisfação dos comerciantes com as condições atuais e o que avalia as expectativas no curto prazo registraram quedas e, por serem dois dos principais índices do Icec, impactaram o resultado negativo do indicador principal.

Enquanto o referente à satisfação dos comerciantes com as condições atuais passou para 80,5 pontos com o recuo de 5,8%, o indicador que avalia as expectativas no curto prazo apresentou retração pela segunda vez consecutiva, agora de 2,3% e atingiu 142,1 pontos. Mesmo assim, é o único dos indicadores do Icec acima dos 100 pontos.

O economista da CNC responsável pela pesquisa, Antonio Everton, considerou entre os motivos para a influência que levou ao resultado negativo podem estar o aumento do dólar, o endividamento das empresas, o reajuste dos aluguéis e a cautela do consumidor nas compras.

“A predominância das percepções adversas também pode ter relação com a necessidade de se fazer investimentos em tecnologia e logística para avançar no e-commerce”, acrescentou.

Investimentos

O único a apresentar resultado positivo (1%) foi o índice que mede as intenções de investimento. Com isso, alcançou 94,9 pontos, voltando a crescer após ligeiro recuo em dezembro. Um outro destaque também foi a intenção de contratação de pessoal. Esse índice teve alta de 2,1% e fechou o mês com 121 pontos.

O economista informou que, nos últimos quatro anos, a intenção de aumentar o quadro de funcionários tem registrado variações positivas em janeiro.

“O planejamento dos empresários pode incluir aumento do número de pessoal para os próximos meses se a recuperação do emprego, consumo e da geração de renda permanecer em um ritmo satisfatório”, finalizou.

Fonte: Agência Brasil

Popular

Quem é Millie Bobby Brown?

Millie Bobby Brown é uma atriz e cantora britânica nascida na Espanha Nascida no dia 19 de fevereiro de 2004, em Marbella, localizada na Espanha,...

Confira o resultado da Federal do sábado (4)

O último resultado da Federal saiu no sábado, dia 4 de setembro O resultado da Loteria Federal do Concurso 5564 foi disponibilizado na noite do...

Fomento mercantil: o que é e qual o objetivo

Fomento mercantil é uma prática para pequenas e médias empresas O fomento mercantil ou comercial e como também é conhecido, factoring é um prática de...

Conheça os 9 melhores sites de emprego

Com a internet sites de emprego se tornaram populares entre profissionais sem ocupação. Confira os melhores sites de emprego no Brasil Uma das coisas mais...

Veja mais de 30 marcas que testam em animais

Marcas que testam em animais ganham visibilidade negativa na mídia  Os testes em animais não é algo recente e muitas marcas de cosméticos têm essa...

Caso Evandro vira podcast e série documentário

O caso Evandro aconteceu em abril de 1992 em Guaratuba no Paraná Em 1992, no dia 6 de abril, em Guaratuba, no litoral do Paraná,...

Palmeiras na Libertadores: elimina São Paulo e está na semifinal

Palmeiras na Libertadores continua a ser sinónimo de sucesso. O clube se tornou o primeiro time brasileiro nas semifinais da atual edição...

5 criptomoedas promissoras de 2021

Confira quais as criptomoedas promissoras do ano que valem seu investimento Nos últimos anos, um novo tipo de dinheiro entrou em cena, as chamadas criptomoedas...