domingo, janeiro 16, 2022
Home Saúde Cresce consumo de álcool entre mulheres brasileiras, mostra IBGE

Cresce consumo de álcool entre mulheres brasileiras, mostra IBGE

Número também cresceu em relação aos brasileiros em geral

Os brasileiros estão consumindo mais bebidas alcoólicas. Ou melhor, as brasileiras: 17% das mulheres adultas afirmaram ter bebido uma vez ou mais por semana em 2019. O índice é 4,1 pontos percentuais, maior do que era em 2013 (12,9%). Resultado da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgada nesta quarta-feira (18) pelo IBGE em convênio com o Ministério da Saúde.

O consumo de bebida alcoólica, sinaliza a pesquisa PNS, é um dos maiores fatores de risco para a população, sendo considerado uma das principais causas de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), bem como dos acidentes e violências.

Saiba mais: Pfizer e BioNTech anunciam 90% de eficácia de vacina contra covid-19

Já entre os homens, a variação não foi tão significativa: 36,3% para 37,1%, entre 2013 e 2019. No comparativo por faixa etária (ambos os sexos), a maior proporção de pessoas que beberam pelo menos uma vez na semana foi de adultos com 25 a 39 anos (31,5%), seguida de perto por jovens de 18 a 24 anos (30,4%). Apenas 17% dos idosos de 60 anos ou mais consomem bebida alcoólica no Brasil, a faixa com o menor resultado.

Já no comparativo por faixas de rendimento per capita, nota-se um padrão: quanto maior o rendimento, maior a proporção de pessoas que consomem bebida alcoólica. O índice começa com 18,6% entre os sem rendimento, chega a 27,8% entre os que estão na faixa de mais de 1 a 2 salários e dispara entre os que ganham mais de 5 salários: 49%.

Saiba mais: Boletim epidemiológico mostra desigualdade social nas favelas do Rio

Para Gustavo Geaquinto Fontes, analista do IBGE, tal padrão não se resume só ao preço dos produtos, afinal, há bebidas alcoólicas baratas. “O acesso ao consumo influencia, claro, mas não dá para cravar o quão determinante é. Tem a ver com estilo de vida de pessoas com maior renda também”, afirma.

Homens dirigem alcoolizados

A pesquisa também mostra a proporção de motoristas que conduziram carro ou motocicleta após o consumo de bebida alcoólica, independentemente da quantidade. O resultado aponta que 17% dos motoristas brasileiros dirigiram após beber, percentual que foi menor nas regiões Sul e Sudeste (14,8% cada) e maior no Norte (23,4%).

Na área rural, a proporção foi maior que a média nacional, de 22,5%, enquanto na área urbana ficou em 16,2%.

No recorte por gênero, a proporção de mulheres motoristas que conduziram carro ou moto após o consumo de álcool foi de 7,8%. Já entre os homens motoristas, o percentual chegou a 20,5%, ou um em cada cinco. Na comparação por idade, adultos de 25 a 39 anos apresentaram a maior proporção: 21,2%, enquanto idosos de mais de 60 anos tiveram a menor, 11%.

Depressão aumenta entre as mulheres

A pesquisa também levou em consideração a quantidade de pessoas diagnosticadas com depressão. Segundo a PNS, 10,2% das pessoas de 18 anos ou mais de idade receberam diagnóstico de depressão por profissional de saúde mental em 2019 contra 7,6% em 2013. Ao todo, 16,3 milhões de pessoas têm depressão diagnosticada. As mulheres lideram a prevalência: 14,7%, contra 5,1% dos homens.

Para Fontes, há um maior acesso à informação sobre o que é a depressão. “Havia – e ainda há – um tabu sobre a doença, mas que está sendo mais e melhor debatido”, explica. “Segundo a OMS, a depressão pode ser definida como um transtorno mental caracterizado por tristeza, perda de interesse, ausência de prazer, oscilações entre sentimento de culpa e baixa autoestima, além de distúrbios do sono ou do apetite”, salienta o estudo.

Em termos geográficos, na área urbana (10,7%) há maior incidência do que na rural (7,6%) e as regiões Sul e Sudeste têm percentual acima da média nacional: 15,2% e 11,5%, respectivamente.

A faixa etária com maior proporção foi a de idosos de 60 a 64 anos de idade (13,2%), enquanto a com menor foi de pessoas de 18 a 29 anos de idade (5,9%). Dentre as pessoas com o diagnóstico, 18,9% faziam psicoterapia e 48,0% usaram medicamentos para a doença nas duas últimas semanas anteriores à pesquisa.

Popular

De onde vem o aroma da baunilha?

Quem não gosta de alimentos com sabor de baunilha, não é mesmo? Mas você sabe de onde vem o aroma da baunilha? Alimentos doces, como...

Como foi a gripe espanhola no Brasil?

A pandemia de gripe espanhola no Brasil ocorreu entre os anos de 1918 e 1920 A gripe espanhola é o nome dado a uma pandemia...

10 dicas úteis para combater o stress

Aprender a reconhecer o estresse O primeiro passo para controlar o estresse é reconhecer sua presença em sua vida. Todo mundo experimenta este estado de...

Top 8 jogos mais jogados do mundo

Nos dias de hoje, existem muitos jogos, mas há aqueles mais jogados em todo o mundo Seja no computador ou celular, os jogos estão presentes...

Como usar o gerenciador de anúncios Face Ads?

Gerenciadores de anúncios são ótimas ferramentas para colocar em prática planos de Marketing Digital O Face Ads ou como também é conhecido o Facebook Ads...

O que é manchete e como escrever?

Manchetes são títulos de destaque, geralmente usados em noticiários Jornais e revistas costumam utilizar vários aspectos e recursos para chamar a atenção do leitor, como...

Saiba tudo sobre a síndrome de Tourette

Síndrome de Tourette é uma doença neurológica que afeta o emocional das pessoas A síndrome de Tourette é uma doença neurológica que afeta emocionalmente as...

Adesivo anticoncepcional: o que é e como funciona

Adesivo anticoncepcional possui 91% de eficácia e deve ser usado com receita médica Existem alguns contraceptivos para mulheres, como a pílula anticoncepcional, implante anticoncepcional, dispositivo...