sexta-feira, fevereiro 26, 2021
Home Saúde Apesar do coronavírus, Brasil registra redução de 19,1% em casos de malária

Apesar do coronavírus, Brasil registra redução de 19,1% em casos de malária

Continente também apresentou redução da doença entre janeiro e junho de 2020

O Brasil registrou, no ano passado, 19,1% menos casos de malária em relação ao ano anterior. Foram 157.454 notificações da doença no período, contra 194.572 em 2018. Os dados constam no Boletim Epidemiológico da Malária 2020, divulgado na última quinta-feira (3) pelo Ministério da Saúde.

Em relação aos casos autóctones, ou seja, de pessoas que contraíram a infecção no Brasil, os dados apontam uma queda de 15,1% na comparação do primeiro semestre dos anos de 2019 e 2020, de acordo com dados preliminares. Em 2019, quando comparado a 2018, houve uma redução de 18,4%, passando de 187.757 para 153.296 casos autóctones da doença.

Saiba mais: Profissionais das Forças Armadas relatam experiências com indígenas no Pará

De janeiro a junho de 2020, as regiões Amazônica e extra-Amazônica tiveram redução no número total de casos autóctones, de 15,1% e 71% respectivamente. Apenas os estados de Mato Grosso (64,5%), Rondônia (27,7%) e Roraima (18,8%) registraram aumento no número de casos de infecções no Brasil.

Os estados do Goiás e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal, não apresentaram casos no período de janeiro a junho de 2019, porém no mesmo período do ano de 2020, cada um registrou um caso autóctone. Na região extra-Amazônica, o estado de São Paulo registrou o maior número de casos, com quatro casos autóctones. O estado também demonstrou uma redução de 60% no primeiro semestre de 2020, em relação ao ano anterior.

Saiba mais: Coberturas vacinais no país preocupam Ministério da Saúde

Na região Amazônica, onde ocorrem 99,9% dos casos de malária, cerca de 80% da doença se concentrou em 41 municípios em 2019, sendo 16 no Amazonas (39%), oito no Pará (19,5%), sete em Roraima (17,1%), quatro no Amapá (9,8%), três no Acre (7,3%), dois em Rondônia (4,9%) e um no Mato Grosso (2,4%).

No Brasil, o principal vetor da malária é o mosquito Anopheles darlingi infectado por Plasmodium, um tipo de protozoário. Os mosquitos desta espécie são geralmente encontrados durante o período noturno, porém, ao amanhecer e ao entardecer aumentam o risco de transmissão da doença. Apenas as fêmeas infectadas do mosquito transmitem a malária por meio de picadas.

Casos Importados

Em relação aos casos importados, o Brasil registrou 4.117 infecções, em 2019, o que equivale a 2,6% dos casos notificados no Brasil. Os casos foram provenientes da Venezuela com 2.658 casos (64,6%), Guiana Inglesa com 655 casos (15,9%), Guiana Francesa com 236 (5,7%), Bolívia com 230 casos (5,6%) e Peru com 172 casos (4,2%).

No Brasil, os estados com maior número de casos importados notificados foram Roraima, Amazonas, Maranhão, Acre e Rondônia, que ao todo registraram 3.783 casos, representando 94,3% do total de casos importados, sendo que apenas Roraima notificou 2.745 (66,7%) dos casos importados. A maior ocorrência de Plasmodium vivax (79,3%).

Situação nas Américas

Dados do novo Boletim Epidemiológico mostram que, entre janeiro e junho de 2020, a situação da malária nas Américas foi caracterizada por uma redução do número de casos confirmados em relação ao mesmo período do ano anterior, determinado principalmente pela diminuição dos casos notificados na Venezuela.

Outros países que registraram redução no total de casos durante este período foram Brasil, Colômbia, Guiana, Peru, Equador, Guatemala e México. Apesar da redução, oito países relataram um aumento total de casos: Haiti, Nicarágua, Panamá, República Dominicana, Honduras, Costa Rica e Suriname.

Outros países, como Paraguai e Argentina, foram certificados pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) como países livres da malária em julho de 2018 e maio de 2019, respectivamente. El Salvador e Belize mantiveram zero casos autóctones desde 2017 e 2019, respectivamente.

O Relatório Mundial da Malária de 2019 também registrou 228 milhões de casos de malária no mundo em 2018, sendo 213 milhões (93%) na África. Dos 405 mil óbitos ocorridos no mesmo período, a maioria aconteceu no continente africano, em crianças menores de 5 anos.

Popular

ONU alerta para agravamento da insegurança alimentar na América Central

O nível de insegurança alimentar está aumentando fortemente na América Central, onde quatro países enfrentam crises econômicas motivadas pela pandemia do novo coronavírus e catástrofes...

Netflix acrescenta novo filme sobre Pelé no rol de documentários

Um novo filme sobre Pelé é o mais recente lançamento de uma série de documentários que tem sido descrita como a era de ouro...

Flamengo vence Inter de virada e assume a liderança do Brasileiro

O Flamengo venceu o Internacional de virada por 2 a 1 na tarde deste domingo (21) no Maracanã em partida válida pela 37ª rodada do Campeonato...

Após 9º título do Australian Open, Djokovic desabafa sobre críticas: “Sou um ser humano”

Na manhã deste domingo (21), no horário de Brasília, o sérvio Novac Djokovic venceu o russo Daniil Medvedev na final do Aberto da Austrália,...