sábado, maio 15, 2021
Home Saúde Anvisa interrompe estudos clínicos de vacina produzida em parceria com Butantan

Anvisa interrompe estudos clínicos de vacina produzida em parceria com Butantan

Agência justificou atitude por causa de “evento adverso grave” nos testes

Após a ocorrência de um “evento adverso grave”, a Anvisa determinou a interrupção do estudo clínico da vacina CoronaVac. O evento ocorrido no dia 29/10 foi comunicado à Agência, que decidiu interromper o estudo para avaliar os dados observados até o momento e julgar o risco/benefício da continuidade do estudo.

Esse tipo de interrupção é previsto pelas normas da Anvisa e faz parte dos procedimentos de Boas Práticas Clínicas esperadas para estudos clínicos conduzidos no Brasil.

Saiba mais: Fiocruz e governo promovem capacitação virtual sobre plantas medicinais

Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado. A Anvisa reitera que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes.

A Anvisa mantém o compromisso com o Estado brasileiro de atuar em prol dos interesses da saúde pública. De acordo com a RDC 9/2015, são considerados eventos adversos graves:

  • Óbito;
  • Evento adverso potencialmente fatal (aquele que, na opinião do notificante, coloca o indivíduo sob risco imediato de morte devido ao evento adverso ocorrido);
  • Incapacidade/invalidez persistente ou significativa;
  • Exige internação hospitalar do paciente ou prolonga a internação;
  • Anomalia congênita ou defeito de nascimento;
  • Qualquer suspeita de transmissão de agente infeccioso por meio de um dispositivo médico;
  • Evento clinicamente significante.

Saiba mais: Pfizer e BioNTech anunciam 90% de eficácia de vacina contra covid-19

O Instituto

Em nota, o Governo de São Paulo, declarou através do Instituto Butantan, que lamenta ter sido informado pela imprensa e não diretamente pela Anvisa, como normalmente ocorre em procedimentos clínicos desta natureza, sobre a interrupção dos testes da vacina Coronavac.

O Instituto Butantan aguarda informações mais detalhadas do corpo clínico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária sobre os reais motivos que determinaram a paralisação.

Em coletiva de imprensa do Governo do Estado de São Paulo veiculada hoje (10) na Sede do Instituto Butantan, o presidente do Instituto o Dr. Dimas Covas, falou à imprensa, que o evento adverso grave em questão não tem relação com a vacina Coronavac.

Dimas Covas disse ainda que foi notificado por e-mail e que minutos depois, o comunicado foi veiculado em toda a imprensa nacional.

Popular

Olimpíada de Tóquio está confirmada mesmo com piora da covid-19 no Japão

A chefe da Olimpíada de Tóquio, Seiko Hashimoto, disse nesta sexta-feira (16) que o Japão está comprometido a realizar Jogos seguros no verão local,...

OMS: taxa de infecção por covid-19 está próxima do valor mais alto

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse hoje (16) que o número de novos casos de covid-19 por semana, em...

1,5 milhão de brasileiros estão com segunda dose da vacina contra covid-19 atrasada

Cerca de 1,5 milhão de brasileiros estão com a segunda dose da vacina contra a covid-19 atrasada. O dado foi trazido nesta terça-feira (13)...

Caixa inicia pagamento do auxílio emergencial a nascidos em abril

Trabalhadores informais nascidos em abril começam a receber hoje (13) a nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a...